Avançar para o conteúdo principal

Amuos e Desamores



195 x 195 cm, óleo s/ tela (oil on canvas)



Nas pinturas de generoso formato de Luís Herberto, bem como nos concisos estudos sobre papel que as acompanham, domina esplendorosamente a figura humana, tanto na sua (só aparente) fragilidade ontológica como na sua inefável solidão, mesmo ou sobretudo quando se oferece ao olhar voyeurístico do espectador, sugestionado muito mais pelo que se sugere, excitando a sua imaginação, do que pelo que explicitamente se vê. As monumentais composições de Luís Herberto distinguem-se igualmente por um minucioso trabalho pictórico de definição de espaços vastos, difusos ou neutralizados, em que se encenam as figuras por um aturado trabalho da cor nomeando a forma. Esse trabalho pictórico não descura a citação de géneros e de numerosos tempos anteriores da História da Pintura, definindo, assim, uma poética que entende a pintura como um original e elaborado tecido dos seus vários tempos, em que conceptualização e execução se harmonizam e valorizam mutuamente na expressão de uma diferença, que é, antes do mais, artística, mas também se situa no plano das convicções mais profundas acerca das atitudes e rupturas face aos tabus culturais. 



Fernando António Baptista Pereira 

(do texto do catálogo

In the works of great dimensions by Luís Herberto, as well as in the concise studies on paper, there is a impressive domination of the human figure, either in its (only apparent) ontological fragility or in its ineffable loneliness, even though or even so when offered to the voyeuristic eye of the spectator, suggests much more than meets the eye, and stimulates the imagination, to see beyond what is there. The monumental compositions of Luís Herberto distinguish themselves equally by a scrupulous pictorial work of definition of vast spaces, diffused or neutralized which the figures display due to a constant work of colour namely the form. The pictorial work, does not disregard the citation of the genres and the numerous times before in the History of Painting, defining, thus, a poetry that understands the painting as an original and elaborated cloth of its various times, when concept and creation are in harmony and mutually valued in the expression of difference, which is above all artistic, but also situated in the plan of conviction more deep in relation to the attitudes and ruptures in the cultural taboos.

(trad. Catarina Burity Cruz) 



Mensagens populares deste blogue

AS MÁSCARAS DE ALEX

INAUGURA A 16 DE NOVEMBRO, ISPA, LISBOA
18HOO,
ISPA, Instituto Universitário, Lisboa 
Rua Jardim do Tabaco, 34 
Horário de funcionamento geralDias úteis: 08:00h às 23:00h*
Sábados: 09:00h às 18:00h

Alex playing Shulman with a fake Rothko, 2017 130 x 130 cm, oil on canvas


O QUE FAZ FALTA... É MALHAR NA MALTA!

O que faz falta é malhar na malta!
2016/ 2017/ 18, 42 x 59,34 cm, grafite e óleo s/ papel:










PRETEXTO, PROSPECÇÃO, PROCESSO